Chegou, para me transformar.


Destemida e incansável a Graça tem forçado as grossas e cadeadas portas de meu coração. Como o noivo no poema de Salomão tem estendido sua mão pela fresta da porta insolente, forçando-a até os batentes fraquejarem, as correntes folgarem, e com as pontas dos dedos tocar em minha alma. O que tenho vislumbrado, causado por seu toque, é a beleza onde antes via somente feiura. Pela graça as flores dizem-me olá, meu servo. O vento sopra folhas secas que bailam frente aos meus olhos como se ritimidas por um canção inaudível, celestial. O sol faz-me verter suor como lágrimas de alguém que um dia as derramou, em outra época, quase em uma outra vida. O canto dos pássaros já deixa de ser efêmero, neles escuto a voz da Graça. Ouço-a nas gotas da chuva, no latido dos cães, no soar da fruta madura caindo de seu galho de encontro a terra. Na doce e mágica metamorfose do corpo da mulher que irradia a Graça de seu ventre para o mundo, o espaço, os céus… A Graça arranha meu coração e me põe um sorriso no rosto. Sorrio quando a brisa leva para longe gotas de água que antes umedeciam o lençol no varal, quando um desconhecido me cumprimenta, quando a música soa, o filme roda, o livro é lido. Tentei, admito com certa vergonha, fugir loucamente das mãos da Graça. Fechei-me em meu quarto e no escuro, no toque artificial do vento produzido pelo ventilador, ali ela estava, refrescando minha alma. Quando corri para longe e decidi não ouvir nada além da música em meus fones de ouvido ali estava ela na disposição quase militar de um gari em varrer, amontoar e encher sua pá com areia da sargeta, que poucos se importam, que eu não me importava, ali ela me disse olá. Fui para debaixo de uma árvore longe dos homens e uma folha verde sendo levada por uma valorosa formiga me olhou nos olhos e me disse olá, eu sou a Graça. Ergui uma pedra para enterrar-me e minhocas me acenaram dizendo bem dita seja a Graça. Corri até meus músculos clamarem por paz e nos espasmos que se seguiram pude ouvir como que em código Morse eles gritando-me oi, eu sou a Graça. Para onde olho, o que ouço, o que vejo e leio, ali ela está, a Graça abrindo espaço entre as portas do meu coração, arrombando as trancas da porta de minha alma até que em definitivo possamos ser formalmente apresentados. Sou bem dito em minha pobreza de espírito, pois sendo pobre sempre me faltará a riqueza interior da Graça que almejarei sempre mais. Feliz porque a Graça, profundidade da riqueza como disse um certo Paulo, sempre estará um passo além de mim. E seguirei eternamente em seu encalço, certo de que sua plenitude, para minha surpresa, quando enfim tomá-la por completo, estará, como sempre esteve, no colo de Deus. Paz e bem

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s