Comecemos o Ano Novo perdoando e sendo perdoado…..

Quando o amor restaura.

O que é o Perdão?

A palavra grega traduzida como “perdoar“ significa literalmente cancelar ou remir. Significa a liberação ou cancelamento de uma obrigação e foi algumas vezes usada no sentido de perdoar um débito financeiro.

Para entendermos o significado desta palavra dentro do conceito bíblico de perdão, precisamos entender que o pecador é um devedor espiritual. Até Jesus usou esta linguagem figurativa quando ensinou aos discípulos como orar: “e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores“ (Mateus 6:12).

Uma pessoa se torna devedora quando transgride a lei de Deus (1 João 3:4).

Cada pessoa que peca precisa suportar a culpa de sua própria transgressão (Ezequiel 18:4, 20) e o justo castigo do pecado resultante (Romanos 6:23). Ele ocupa a posição de pecador aos olhos de Deus e perde sua comunhão com Deus (Isaías 59:1-2; 1 João 1:5-7).

Como ser perdoado? Se me arrepender agora, o Senhor me perdoa?

SIM! (Jeremias 31:34). Deus está sempre pronto a perdoar e fica feliz ao fazer isso, pois deu o seu Filho unigênito – Jesus Cristo, para isso. (João 3:16)

Leia em sua Bíblia: A parábola do filho pródigo em Lucas 15:11-32.

O que acontece quando recebo o perdão?

Começa a experimentar o amor de Deus (beijos e abraços), vida nova e santa (roupas), autoridade (anel), liberdade para viver (sandálias), muita comunhão (festa), certeza da vida eterna, etc.

O perdão precede cura e a maravilhosa vida de Cristo (João 10:10b).

Mas, é bom lembrar que o perdão não é a remoção das conseqüências temporais de nosso pecado. O homem que assassina outro pode arrepender-se e procurar o perdão, mas ainda assim sofrerá o castigo temporal da lei humana. Mesmo se perdoado, pode ter que passar o resto de sua vida na prisão. O perdão remove as conseqüências eternas do pecado.

O que acontece se recuso o perdão?

Continuo impuro, separado do amor de Deus, sem vida verdadeira, sem autoridade, sem liberdade, escravo do pecado, sem comunhão com Deus, sujeito a enfermidades, tormentos, em horrível expectação de juízo (Hebreus 10:26).

O que preciso fazer para ser perdoado?

1. Precisa reconhecer que é pecador e querer ser perdoado (Lucas 18:13-14). Como Deus vai perdoar alguém que não reconhece que é pecador e quer ser perdoado? É o arrependimento (Atos 2:38). A escritura diz que “sem arrependimento” não há remissão de pecados, pois o arrependimento é o desejo de mudança de vida (Lucas 3:8, Atos 26:20).

2. Confessar os pecados (Mateus 3:6). Quando reconhecemos a culpa e confessamos, recebemos o perdão como o Rei Davi recebeu (Salmos 32:5) e como João ensinou (1João 1:9).

3. Deixar os pecados (Provérbios 28:13). Se quisermos ser perdoados, além de confessar devemos ter o propósito de não mais pecar (João 8:11).

4. Um outro requisito muito importante é perdoar. A quem? A TODOS QUE NOS OFENDERAM, inclusive a nós mesmos. O perdão que recebemos só permanece se perdoarmos os que nos ofenderam (Mateus 6:14-15), lembrando que Cristo nos perdoou (Efésios 4:32). Leia também Mateus 18:21-35.

Finalmente devemos pedir perdão e perdoar em nome de Jesus. Porque? Porque o pecado é um débito que nós não podemos pagar, mas Jesus pagou na cruz por nós.

O crédito pertence a Ele e só Ele pode nos dar este crédito. N’Ele, Deus o Pai, pode nos perdoar completamente, mantendo sua justiça (Mateus 1:21; 1 João 2:12).

No passado, quando alguém pecava, levava um cordeiro sem defeito ao sacerdote, impunha as mãos sobre ele, confessava o pecado e o matava, derramando o sangue no altar. Saía feliz por haver pago o pecado através do derramamento de sangue justo. Mas isso era apenas uma figura, pois sangue de animais não pode remir o ser humano.

Mas Jesus, sendo Deus, se fez humano e como o cordeiro do passado derramou seu sangue justo e levou sobre si no madeiro, todos os nossos pecados (Isaías 53:4-5).

Que oportunidade maravilhosa Deus nos dá. Não é necessário tentar entender este grande mistério, mas crer que Deus fará o que prometeu àquele que receber pela fé o sacrifício de seu Filho Jesus. Por este e muitos outros motivos devemos refletir sobre o nosso ano que termina e como deveremos caminhar neste novo ANO QUE COMEÇA. Paz e bem

Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 8.600 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 3 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo

Quando oramos com o coração, temos a certeza que nossa oração se concretiza.

Imagem

 

Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá. Mq 7.7

O capítulo sete de Miqueias expõe uma situação angustiante do profeta, que, em nome de Deus, faz várias advertências ao povo que não se arrepende dos erros.

O profeta chega a exagerar a sua nota de repugnância contra a nação quando diz: “Pereceu da terra o piedoso, e não há entre os homens um que seja reto; todos espreitam para derramarem sangue; cada um caça a seu irmão com rede. As suas mãos estão sobre o mal e o fazem diligentemente; o príncipe exige condenação, o juiz aceita suborno, a grande fala dos maus desejos de sua alma, e, assim, todos eles juntamente urdem a trama. O melhor deles é como um espinheiro; o mais reto é pior do que uma sebe de espinhos”. Mq 7.2-4 […].

O certo é que o profeta pregou contra esses comportamentos inadequados, mas nada mudou; então ele olha para si e desabafa; “Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá. ”

Desabafo ou oração? Se olharmos para o ministério do profeta, realizado em nome de Deus sem ver resultado positivo (resultado esse esperado por todo pregador da palavra), podemos imaginar que ele fez um desabafo mais ou menos assim: “Eu fiz o que pude, o povo vai ser punido porque quer, porque não quis ouvir a Palavra de Deus. Fiz minha parte”.

Quando vejo o texto como uma oração após a cansativa jornada sem sucesso visível aos olhos humanos, encontro profundo discernimento do profeta entre sua missão e sua segurança em Deus. Ele entende que de sua parte a missão está cumprida e o resultado pertence a Deus, daí sua oração: “Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá.”

Que lições podemos extrair dessa oração?

Os resultados que almejamos e não acontecem não podem tirar a nossa intimidade com Deus.

Miqueias tem pronto relacionamento com Ele e fixa seu olhar de esperança no Soberano Pai.

Outro ponto elogiável em Miqueias é sua pronta declaração de esperança na misericórdia salvadora de Deus. Ele crê que o Deus gracioso consegue diferenciar o certo do errado, então ele pode esperar no Deus da sua salvação. Outra virtude de Miqueias está em saber que Deus o ouve. Ele não corre de imediato atrás do psicólogo. Ele apresenta sua frustração ao Deus que ouve e tem todo tempo para ouvir os angustiados sem culpas. Digo sem culpa porque o lamento dele era porque o povo não se arrependeu, e não porque ele não pregou a Palavra. Ele fez a parte dele.

O nosso tempo é de correria. Algumas pessoas carregam grande carga de idoneidade e outras não estão preocupadas com essa qualidade. A proclamação profética é desprezada por boa parte da sociedade, e a abominação é aprazível a um grande número de pessoas.

Quem tem a mesma preocupação de Miqueias deve também ter a mesma postura nas angústias por falta de resultados favoráveis e visíveis. Deve orar sabendo que Deus está pronto para ouvir o desabafo de um homem ou mulher de Deus em oração.

 

Paz e bem

Porque é tão complicado se deixar descansar nas braços de Deus ?

Imagem

 

 

Descansar na soberania de Deus talvez seja nosso maior desafio.

Quero todos os dias acreditar no fato de que nada foge ao controle de Deus, pois todas as coisas foram por Ele criadas e cooperam para o bem daqueles que O amam.

Seu controle é total sobre todas as coisas, principalmente sobre aquelas que, pelas minhas falhas e até incredulidade, inundam minha alma em um poço de insegurança e temor.

Quero impregnar meu ser com a fé que torna o desemprego, a frustração, a tristeza, o medo, a doença, apenas um estágio que antecede todo bem que Deus preparou pra mim, pois seus pensamentos para mim são pensamentos de paz e não de guerra.

Deposito em suas maõs meus medos que são trocados pela confiança da vitória, que independe dos bens, do emprego, da cura, e dá tão chamada realização pessoal, pois a minha alegria vem em saber que só o fato de poder entrar na presença do Deus criador de todas as coisas, que se fez homem e morreu na cruz só por amar, já me completa não só neste mundo, mas por toda eternidade.

 

Paz e bem

Na Roça

ImagemN

 

A roça é outro mundo
mais extenso, mais profundo,
recheado de carinho.
O menino na estrada
é poesia encantada,
caminha feliz e sozinho.

Lá tem rios e montanhas
e tem belezas tamanhas
que nem consigo contar.
Lá o mundo é espaçoso,
colorido e formoso,
é gostoso passear.

Lá tem a roça de milho,
a mãe levando o filho
de manhã para a escola.
Um bando de passarinhos
vão cantando alegrinhos,
e o homem se consola.

A roça tem o seu jeito,
lá quase tudo é perfeito,
tudo passa devagar.
O homem celebra a terra,
lá não se fala em guerra,
não é preciso brigar.

O trabalho é a meta
do avô, também da neta,
dos filhos e de seus pais.
Lá a terra é lavrada,
lá se usa a enxada,
são unidos os casais.

A roça é diferente,
tudo é simples e contente,
sem luxo, sem desperdício.
Lá o povo se entende,
vive junto, não se ofende,
não tem lugar para o vício.

 

  

 

Porque precisamos do deserto ?

Imagem

 

Não é sem motivo que Deus, logo após libertar o povo da escravidão no Egito, os conduziu para o deserto. A passagem pelo deserto era necessária para ajudá-los a deixar para trás a mentalidade da escravidão e a compreender a nova liberdade que Deus lhes estava oferecendo. Quando damos o nosso sim a Deus, ele sempre nos conduz ao deserto.

O nosso deserto não é igual ao das areias do Neguev ou do Saara. Nosso deserto é o lugar onde somos levados a refletir sobre nossas ilusões, as expectativas infantis que nos mantêm alienados, inclusive de pessoas que amamos; os medos que mascaramos ou sublimamos em nossa busca frenética por realização e entretenimento. No deserto, não temos um caminho claro e seguro, nenhuma distração, nada que nos excite. Nele, o futuro é incerto, nos vemos vulneráveis e fragilizados, e experimentamos a força das trevas interiores do medo.

Por outro lado, o deserto é o lugar do encontro com Deus, da rendição do orgulho e da ilusão de sermos senhores do nosso destino. É o lugar da companhia divina, do silêncio diante de Deus, onde a quietude nos ajuda a reconhecer a presença dele. O silêncio que nos torna mais atenciosos à voz de Deus. Para sermos livres, precisamos nos afastar, por um tempo, do mundo dos homens para entrarmos, a sós, no mundo de Deus. Um tempo no qual as paixões, tensões, pressa, vão, lentamente, cedendo espaço para percebermos a realidade à luz da eternidade e restabelecermos o valor correto das coisas. No deserto, reduzimos nossas necessidades àquilo que é essencial. 

A enfermeira americana Bronnie Ware escreveu um livro sobre os “cinco maiores arrependimentos ou lamentos de pacientes terminais”. Depois de acompanhar por vários anos estes pacientes, ela listou aquilo que eles gostariam de ter feito e não fizeram, como: ter mais tempo para os amigos e não ter trabalhado tanto. O deserto deles trouxe uma outra dimensão de suas reais necessidades.

Na solidão do deserto, descobrimos a suficiência da graça de Deus. Teresa de Ávila (1515–1582) descreveu num poema sua experiência no deserto:

Nada te perturbe,
Nada te espante.
Tudo passa.
Deus não muda.
A paciência tudo alcança.
Quem tem a Deus,
Nada lhe falta.
Só Deus basta.

Nossa necessidade primeira é Deus. De tudo o que aprendemos no deserto, a lição mais importante é que aquilo de que mais necessitamos encontramos na comunhão com Deus. A experiência do deserto nos conduz ao autoesvaziamento, ao desapego dos ídolos que nos oferecem a falsa segurança, e à completa submissão a Deus e aos seus caminhos. Aprendemos a ver a vida desde a perspectiva da eternidade, o que nos ajuda a colocar em ordem nossos valores.

A verdadeira liberdade nasce do deserto. Foi no deserto que Jesus reafirmou a identidade dele e seguiu livre para realizar a missão dele em obediência ao Pai. Não precisou usar nenhum artifício para se autopromover. Foi livre para fazer o que tinha de fazer, assumir a cruz e, no fim, morrer. O deserto nos liberta dos falsos deuses, das mentiras e ilusões que nos fazem pessoas controladoras e manipuladoras. Rompe com a falsa sensação de que temos controle sobre o nosso destino. O deserto nos torna pessoas mais verdadeiras, livres, e mais conscientes de nossa total dependência de Deus.

Paz e bem

Mais que ir a Igreja é preciso ser Igreja

1229976_295524630585653_1750503642_n

O que vem a ser templo? Diante um mundo pós-moderno repleto de relativismo onde o que é pode não ser e o que parece não ser pode ser, corremos o risco de pensar estar indo a um lugar e encontrar outro. Como alguém que sempre esteve em contato com um açougue e como que pela força do hábito chega ao rotineiro local para pedir um quilo de carne e só encontra peixe. Mas aqui sempre fora um açougue? Pergunta o cliente. Tem placa de açougue, jeito de açougue, açougueiros, mas, agora, o que encontro para consumo é peixe? De imediato responde o dono do estabelecimento. O nome é açougue, porém a partir de hoje só estaremos vendendo peixe, entende?

O relativismo tem encontrado um solo fértil em nossa sociedade fazendo com que conceitos indiscutivelmente firmados percam a sua robustez adquiridas por anos em detrimento ao relativo que se apodera de uma verdade particular de cada um de nós. O rompimento com o passado em detrimento a um presente livre de preconceitos que na visão de muitos não tem problema algum trocar açougue por peixaria, sem perder o nome de açougue, quebrando o estigma de que açougueiro vestido de açougueiro, dentro de um açougue pode sem problema algum vender peixe sem ser chamado de peixeiro, mantendo o rótulo de açougueiro, mesmo vendendo peixe, sem trocar a placa de açougue por peixaria, pois na sua visão vender peixe em lugar de carne dentro de um açougue faz com que o açougue não necessariamente seja uma peixaria, continua sendo um açougue.

Grande tem sido o apelo ao relativo em inúmeras questões. Ao olhar uma mulher ou um homem, diante o relativo, pode ser que o homem não seja homem, ou a mulher não seja mulher, ou que o pai seja mãe, ou a mãe pai e, com isto, novos padrões de famílias relativas se formem dentro de conceitos que outrora eram considerados improváveis.
Torna-se preciso ter certeza e convicção de quem nós somos. Somos aquilo o que somos ou aquilo o que o relativo diz que somos? Na verdade, se tudo é relativo, até o relativo deixa de ser relativo, criando em si um absoluto por afirmar que tudo é relativo. Diante esta constatação faz-se necessária uma análise a partir de algo que possamos confiar, pois se um mesmo objeto sendo fruto de diferentes verdades, nunca chegará a uma conclusão de senso comum, mas a uma verdade pluralizada.

Ao fazer parte de uma igreja, precisamos saber se estamos trocando os propósitos do ambiente eclesiástico sem remover a placa da fachada escrita igreja. Tem sido muito comum entrar em igrejas e não encontrar aquilo o que estamos procurando. Assim como narramos a pouco, pensando encontrar carne no açougue, encontramos peixe. Estaria a igreja em sua grande maioria relativizando suas funções? Aquela que fora chamada para iluminar e temperar agora estaria preocupada com outros assuntos? O que procuramos quando vamos a igreja? O que encontramos quando vamos a igreja? Igreja não é clube. Igreja não é discoteca. Igreja não é casa de investimentos. Igreja não é objeto de enriquecimento. Igreja não é lugar de comércio. Igreja é casa de Oração!!! Adoração coletiva. Lugar onde Deus fala e nós escutamos. Lugar onde encontramos afeto, carinho, amor, paz, alegria, cura e salvação. Diante a imperativa e concluída restauração do templo que agora não mais pode ser construído por mãos humanas [Marcos 14:58], antes de ir ao templo, e esperar que o templo seja templo, precisamos ser templo. É tempo de viver como templo, para que o ajuntamento dos muitos templos seja verdadeiramente reconhecido como lugar de oração, adoração e proclamação coletiva de que só o Senhor é Deus. Que em tempo de pós modernidade a igreja continue sendo igreja. Que não encontremos peixe no lugar que se espera encontrar carne. Que possamos encontrar nas mais diversas igrejas espalhadas sobre a face da terra, aquilo o que estamos buscando, Jesus Cristo o nosso Senhor e Salvador.

Paz e bem